Blitz do Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência marca Expotrânsito em Dourados

Blitz na Marcelino Pires fez parte da programação da Expotrânsito, na Semana Nacional do Trânsito

Cadeiras de rodas nas vagas destinadas a veículos diversos, em um amplo trecho da Avenida Marcelino Pires, chamavam a atenção na manhã desta sexta-feira em Dourados. A blitz do Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência alertou aos que trafegavam pela principal via da cidade para o respeito às vagas exclusivas.

O diretor da Agetran (Agência Municipal de Trânsito e Transporte), Carlos Fábio Selhorst dos Santos, disse que a blitz foi direcionada dentro da proposta da prefeita Délia Razuk, para traçar ações constantes com foco em educação e prevenção no trânsito. A iniciativa contou com parceria do Centro de Convivência Dorcelina Folador e fez parte da programação da Expotrânsito.

Cristhian Lelis, do núcleo de educação para trânsito da Agetran, revela que as multas para pessoas que usam vagas destinadas a deficientes físicos de forma irregular no município são freqüentes. Segundo ele, a Agência trabalha com fiscalização e orientação nesse aspecto durante todo o ano.

"Hoje é uma mobilização, no entanto, este trabalho é freqüente. Notificamos uma média de 250 pessoas por mês usando indevidamente essas vagas, as pessoas precisam mudar esse comportamento e entender que esses locais foram direcionados para facilitar para quem tem mais dificuldades para se deslocar, não devem ser utilizadas nem com a desculpa do poucos minutos", destaca. 

Alex Morais, do Centro de Convivência Dorcelina Folador, cita que o comportamento das pessoas em relação a respeitar as vagas tem mudado após muitas atividades de conscientização. "As pessoas têm respeitado mais. São sete anos que desenvolvemos essa ação e sentimos mais apoio da população, apesar do desrespeito ainda existir por uma parcela da população. O fato de mexer no bolso também ajuda no respeito às vagas. Hoje as medidas são mais duras com multa de R$ 293 e sete pontos na carteira", observa.

Ele também citou como "mudança positiva" a permissão para que os órgãos de segurança possam identificar e multar o uso indevido das vagas também em estabelecimentos comerciais, como mercados, farmácias e outros.

Participante da ação, a cadeirante Elizabete Grava dos Reis, 55, conta que faz uso das vagas destinadas a pessoas com deficiência há muitos anos e que acredita que a conscientização precisa continuar sendo trabalhada constantemente, pois diariamente enfrenta situações incômodas para usufruir esse direito.

"Existe dificuldade ainda, apesar da melhora. Tem pessoas mal educadas, ainda é preciso evoluir nesse sentido. Penso que nós deficientes físicos precisamos nos unir, mostrar que buscamos nossos direitos, não pode deixar pra lá, quando identificar o desrespeito acionar autoridades competentes se necessário e atuar em atividades como a blitz de hoje por melhorias", destacou.

Para a ação a Agetran contou com apoio da Unigran, Polícia Rodoviária Federal, Sest/Senat, Instituto Federal de Mato Grosso do Sul, Detran MS, Guarda Municipal, Secretaria Municipal de Educação, Samu, Guarda Mirim, CCR MSVia e Grand Prix.

 

 

Foto – A. Frota

 

Comentários