1ª médica indígena kaiowá atende em guarani e é orgulho da comunidade

O Mato Grosso do Sul tem sua primeira médica indígena generalista – especialista em Clínica Geral e Saúde da Família

Foto: Arquivo Pessoal
1ª médica indígena kaiowá atende em guarani e é orgulho da comunidade
Dara, a 1ª médica kaiowá que fala guarani e mora na aldeia

O Mato Grosso do Sul tem sua primeira médica indígena generalista – especialista em Clínica Geral e Saúde da Família. A doutora Dara Ramires Lemes, filha de um kaiowá, se formou em medicina aos 25 anos, em dezembro UFSM e voltou para comunidade para atender pacientes indígenas falando na língua deles, o guarani.

Ela nasceu em Caarapó, no Mato Grosso do Sul e tem orgulho de suas raízes. Dara teve uma infância feliz na aldeia indígena Te’yikue – a 15 quilômetros do centro do município de Caarapó. E vive na mesma comunidade até hoje com a família, para preservar os laços culturais.

Ela atende em guarani no posto de saúde onde trabalha. “Percebo que as pessoas se sentem mais à vontade falando a língua nativa. Todos eles, assim como eu, também falam português, porém é um conforto saber que estamos dialogando na mesma identidade cultural”, afirmou ao Campo Grande News.

 

Dara acredita no poder da representatividade.

“Eu acredito que muito em breve teremos mais e mais profissionais assim como eu no sistema de saúde. Já existem universitários cursando enfermagem, odontologia e áreas afins que também são filhos de diferentes etnias. Com certeza, assim como eu, também irão se somar no futuro dos povos indígenas”, disse.

Ela acompanhou de perto a covid-19 se alastrar nas comunidades indígenas.

Apoio dos pais

Dara começou a estudar e trabalhar quando tinha cinco anos.

“Ajudava na vendinha dos meus pais desde meus 5 anos. Não sei como, mas eles confiavam em mim. E, mesmo com essa idade, eu sabia atender direitinho e dar o troco correto ao cliente”, lembra.

E os pais incentivaram a filha a estudar: “Eles alertavam que o caminho do estudo precisava vir antes de tudo”.

Na adolescência, a jovem médica foi jogadora de futebol de campo e futsal.

“Meu pai Dario não só foi um jogador de futebol nato, mas passou o gostinho pelo esporte para mim e meu irmão, ele que até hoje é atleta e atualmente mora em Portugal”.

Dara com os pais – Foto: arquivo pessoal

Medicina

Mas a medicina falou mais alto porque era o sonho de Dara.

“Concluí o ensino médio, prestei vestibular e vi que precisava de muito mais para conseguir ser aprovada no meu sonho. Mas fui adiante. Entrei em um cursinho, estudava diariamente e finalmente consegui passar”, contou.

Dara lembra que teve dificuldades por ser uma jovem indígena: “Parecia que eu não poderia sonhar tão alto, mas descobri que sim”.

Hoje, formada, ela agradece: “O sentimento que fica agora é o da gratidão. Grata por Deus ter me abençoado com pais maravilhosos, proporcionar na minha formação de médica em uma universidade federal e por jamais esquecer de quem realmente sou, de cultivar minhas raízes”, concluiu.

Nem precisa dizer que a nova médica é o orgulho da comunidade!

Comentários