Quais alimentos incluídos na dieta ajudam a queimar gordura

“Os nutrientes encontrados nesses alimentos trabalham em conjunto para o bom funcionamento do organismo”

Reprodução
Quais alimentos incluídos na dieta ajudam a queimar gordura

Em vez de remédios para emagrecer, que têm efeitos colaterais, é possível incluir alguns alimentos na dieta para ajudar na queima da gordura naturalmente.

Parte deles ajuda na sensação de saciedade, outros aumentam o gasto energético do organismo. Duas nutricionistas de São Paulo ensinam como usar esses alimentos no seu dia a dia.

Termogênicos

 

Canela (duas colheres de chá por dia): adicionar a frutas, receitas, alguns legumes, como abóbora, ou consumir na forma de chás. “A canela também ajuda a diminuir a vontade de comer doce e alguns estudos afirmam que melhora a resposta do nosso organismo à insulina”, ensina a nutricionista Alyne Mayumi, da Clínica Più Salute.

Gengibre (20 gramas por dia): adicionar em sucos, chás, saladas e em receitas diversas. “É composto por poderosos antioxidantes e é bem versátil, podendo ser usado como tempero em preparações quentes ou frias, em sucos, chás e até em forma de conserva (só não vale exagerar no sal!)”.

Pimenta (duas colheres de chá por dia): temperar refeições, legumes e proteínas.

Óleo de Coco (de uma a duas colheres de sopa por dia): usar no preparo de refeições, de receitas, ou puro.

Alho: utilizar nas receitas ao preparar refeições.

Café: tomar três xícaras por dia.

Chá verde: tomar até 600 ml por dia.

Chá de hibisco: tomar até 400 ml por dia.

Vinagre de maçã (duas colheres de sopa por dia): usar para temperar saladas, refeições ou puro.

Água gelada: tomar 1,5 litro ao longo do dia. “Ela tende a refrigerar nosso trato digestório, o que faz com que o corpo mande muito mais sangue para manter a temperatura média de 37 graus. Esse processo faz perdermos calorias”, explica alerta Thalita Longo, nutricionista da Clínica Seven, de São Paulo.

Atenção: algumas pessoas não podem abusar dos termogênicos. O ideal é consultar um profissional. “Esses alimentos devem ser evitados por cardiopatas, hipertensos, gestantes, lactantes e crianças, pois, em excesso, podem causar insônia, dor de cabeça e desconfortos gastrointestinais”.

Ela lembra que alguns alimentos são mais difíceis de serem digeridos, e, dessa forma solicitam mais energia ao organismo. “Eles obrigam o metabolismo a trabalhar mais no processo digestivo, aumentando a queima de gordura e de calorias. E também podem aumentar a temperatura corporal, sendo responsáveis por um gasto energético de até 10%”.

Fibras

O consumo regular de fibras é indicado para auxiliar no emagrecimento e também para um quadro geral saudável.

“Além prolongarem a sensação de saciedade, as fibras melhoram a saúde cardiovascular, ajudam no controle da glicemia, evitando picos de açúcar no sangue, e auxiliam na regulação do trânsito intestinal”, prescreve a nutricionista Monica Beyrute, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso). ⠀

Chia: é rica em fibras solúveis e insolúveis e em ômega 3, um ácido graxo com ação anti-inflamatória que atua na saúde cardiovascular e também ajuda no bom funcionamento do intestino.

Linhaça (marrom e dourada): possui ômega 3 e 6 e atua como um agente antioxidante e renovador celular. “O ideal é triturar as sementes. Assim é possível aproveitar todos os nutrientes”, explica Mônica.

Atenção

“Quando falamos em emagrecimento, devemos consumir alimentos minimamente processados, frutas, verduras, legumes, raízes, cereais, grãos, oleaginosas, sementes, carnes e ovos, laticínios, gorduras saudáveis ervas e especiarias”, recomenda Thalita Longo.

“Os nutrientes encontrados nesses alimentos trabalham em conjunto para o bom funcionamento do organismo”, explica.

 

 

 

Comentários