Conheça o jovem tenente que tem levado o resultado do trabalho dos militares em Brumadinho

Conheça o jovem tenente que tem levado o resultado do trabalho dos militares em Brumadinho
'O que eu faço é apenas transmitir o trabalho destes grandes heróis', diz tenente Aihara

Apesar da feição jovem, o tenente que representa a imagem do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais tem chamado a atenção por sempre transmitir as informações de forma precisa, sem titubeios.

Especialista em prevenção de desastres pela Universidade de Yamaguchi, no Japão, o oficial – na intimidade, apelidado de Japa – encara com tranquilidade, mesmo diante de tensão e cansaço, e precisão câmeras, microfones e uma maratona de entrevistas, que, por vezes, se prolongam por mais de duas horas seguidas.

 

Na primeira noite em Brumadinho, envolvido no atendimento à imprensa e também no apoio às operações, o tenente não fechou os olhos. Nos últimos dias, não mais que três ou quatro horas de sono.

Pedro Aihara, o rosto e a voz da corporação nesta tragédia, reconhece o peso da responsabilidade de seu papel no acompanhamento do desastre.

“Eu não encaro isso daqui como um trabalho e, para mim, não é só um número. Quando a gente fala de vidas humanas, se a gente tem uma informação errada, isso daí pode impactar negativamente na vida de uma família de uma maneira muito intensa. Então, em primeiro lugar, eu tenho noção dessa responsabilidade.

 

Em segundo lugar, é uma operação muito difícil, porque são muitas agências envolvidas. São muitos dados que chegam, a gente tem que verificar esses dados, são muitas demandas. As pessoas querem informação. A questão das famílias, da imprensa”, diz.

 

Para que não haja falhas neste processo de unificação e repasse de informações, quatro elementos são fundamentais para o tenente: serenidade, tranquilidade, paciência e tolerância.

 

Apaixonado pela profissão que escolheu, Aihara, que entrou para o Corpo de Bombeiros em 2012, acredita que conhecimento nunca é demais. Ao mesmo tempo em que iniciou o Curso de Formação de Oficiais (CFO), o tenente começou a faculdade de direito na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

“Acabei investindo nessas duas áreas e acabo conseguindo aplicar muitas coisas que aprendo em uma área nas outras áreas. Aí, depois eu fiz minhas especializações ”, diz ele em referência ao curso no Japão, feito em 2016, e o de gestão de projetos, na Universidade de São Paulo (USP).

 

Comentários