Em nota, Cassems contesta denúncia de favorecimento na vacinação em sua unidade

Nota de Esclarecimento - Hospital Cassems de Dourados

A assessoria de imprensa do Hospital Cassems de Dourados encaminhou nota à redação #DaGente, qual contesta de forma incisiva denúncia anônima feita por uma agente de saúde na manhã deste sábado (23), e alega que protocolo está sendo seguido rigorosamente e que as planilhas estão abertas aos órgãos de controle no âmbito municipal.

“A direção acha estranho uma denúncia sem a devida investigação atingir proporções que só atrapalham a combalida guerra que todos os profissionais de saúde travam todos os dias nas unidades em que trabalham, sejam nos postos de saúde, pronto atendimentos ou hospitais. 

Conforme o diretor administrativo da unidade do Hospital Cassems de Dourados, Jean Davi, todos os trabalhadores do local são considerados da linha de frente. Uma unidade hospitalar, por si só, é um ambiente com potencial alto de contaminação, pondera o diretor, defendendo que todos deveriam se imunizados contra o vírus da Covid 19. "Ocorre que não há doses suficientes neste primeiro momento e é necessário obedecer o protocolo estabelecido pelo Plano Nacional de Vacinação, que define prioridades na aplicação. As regras em Dourados foram passados pela Comissão de Imunização da Prefeitura e nós estamos seguindo o que preconiza este plano de trabalho", observa o diretor, que citou inclusive a visita ao hospital do responsável no âmbito municipal para averiguar pessoalmente se estava havendo favorecimento, fato que não foi atestado pela coordenação do processo.

O diretor do hospital enfatiza que todo o trabalho de imunização tem a participação de membros e da coordenação da Comissão de Controle Interno de Infecção Hospitalar (CCIIH) da unidade, que obedece rigorosamente todos os parâmetros técnicos e científicos. "Na questão da imunização, o protocolo sobre as prioridades está sendo obedecido fielmente e a maior discriminação no momento é a falta de vacinas na quantidade ideal não só para os profissionais da saúde mas à toda população", avalia Jean Davi.

O diretor deixa claro que não houve e não haverá qualquer tipo de favorecimento em relação a imunização, ressaltando que todos os trabalhadores do hospital são da linha de frente, mas existem àqueles que trabalham diretamente com os infectados na ala específica para covid 19 e que estão no topo da prioridade para receber a imunização. "O protocolo está sendo seguido rigorosamente e nossas planilhas estão abertas aos orgãos de controle, como foi o caso da constatação in loco do responsável pelo controle da imunização no âmbito municipal. O resto é boato, sem lastro de verdade, que nada contribui para nos ajudar no enfrentamento desta guerra, que tem na sua linha de frente os profissionais de saúde", destaca a nota.

Nota de Esclarecimento - Hospital Cassems de Dourados

A Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems) desmente a denúncia anônima de que há favorecimento na vacinação dos profissionais de saúde da linha de frente do combate à Covid-19, no Hospital Cassems de Dourados.  

O plano de saúde informa, ainda, que o trabalho de imunização para a Covid-19, na rede hospitalar Cassems, obedece rigorosamente todos os parâmetros técnicos e científicos, sem qualquer tipo de favorecimento. Até o presente momento, não há doses suficientes para vacinar todos os colaboradores e, desta forma, a Caixa dos Servidores acompanha o Plano Nacional de Vacinação, que define prioridades na aplicação.

O protocolo estabelecido está sendo seguido rigorosamente e, inclusive, a Cassems compartilha informações com a Secretaria Municipal de Saúde.

Entenda o caso: Denúncia: Hospital Cassems fura-fila da vacina contra Covid e revolta profissionais da linha de frente

Em Sonora, cidade a 351 quilômetros de Campo Grande, a vacinação de Indianara Dantas, 25 anos, que hoje trabalha como gerente de saúde no município, levantou suspeitas de ‘Fura-Fila’, quando em sua rede social, a técnica em enfermagem postou a foto do momento em que é imunizada, mesmo sem fazer parte do grupo prioritário nessa primeira fase.

“Nessa primeira serão imunizados 112 profissionais da saúde da linha de frente, com um reforço da segunda dose. Estamos aguardando novas doses para que seja imunizada toda população gradativamente. Fica aqui meu agradecimento ao empenho e dedicação dos profissionais que deixam seus lares para salvar vidas. Vocês merecem essa vitória”, escreveu Indianara.

No entanto, o que causou dúvida foram as imagens que acompanham o texto. Em uma delas, a gerente de saúde está recebendo a dose do imunizante, mesmo não atuando na linha de frente no enfrentamento à doença e tendo apenas 25 anos, o que também foi contestado pela servidora e disse ao Campo Grande News que atuou diretamente no combate a vírus.

"não só na entrega de medicação e monitoramento, como acompanhei diversas coletas, e ainda trabalhei diretamente na ações de barreira sanitária"

Comentários